fruto.

Do conto “carta caótica” de Elias José

 

“Não resista, por favor. Estou pedindo. Não espere mais, parta antes que me torne completamente cego e não consiga distinguir o perigo e me perca nos seus olhos castanhos e grandes, pedindo sempre mais. Acho que eles não pouparão os meus olhos, você estará impressa neles e isso os importuna demais. Entre o cheiro da minha carne apodrecida, só sentirei o perfume da sua colônia, e só eles chegará as minhas narinas. O amor é muito frágil diante do ódio, ele se despe e fica desprotegido enquanto o inimigo atentamente se prepara para atacar. (…) A lembrança, nosso primeiro encontro, a certeza de que era encontro e não haveria mais adeus por que antes do outros e antes de tudo, nós dois estávamos esperando um pelo outro desde o primeiro da de vida. O que a gente plantou vai florescer ao lado das pedras atiradas ou gestos de espera. As nossas fórmulas não servem para olhos virados para o inútil.”

Posted in falta de soma | Leave a comment

Belated Letter

“I’ve been with so many beautiful people (in bed) but they made some effort! Not you. I didn’t even know you, and you were a charming little bastard since the very first time I saw you, some years ago. How can you? How can you do this to yourself, if yourself is a person? Wear your oldest and ugliest tee, stay beautiful. If you let me let you go (now), i’ll still think about these pretty stuff you do (not on purpose) and its not because I’m ridiculously sticking my tongue in your mouth on weekends, but it’s because you’re that once-in-a-while guy that I enjoy knowing, cause eventually we’ll become really important people for each other. (Yes? Yes) I want to talk to you. I wanna drink your yogurt. I want to wash your hair and make you sneeze from laughing.

  • Do you want to do anything to me?”
Posted in falta de soma | Leave a comment

Pretty C

Tada, the was a crash                                                                                                                         In this available set                                                                                                                       Some day in remembruary                                                                                                         When we accidently met

 

And when everything gets dark                                                                                                 Read me johnny cooper clarke                                                                                                       Say the prayers If I sin to                                                                                                                 When I seem to be undone

Kiss me kiss me kiss me

Posted in falta de soma | Leave a comment

Aaron C. Shell

Rounded by friends, being condecorated                                                                                     his alternative ego                                                                                                                   misread and frustrated

 

Should I thank for god? Shall we tell the story?                                                                           No ones even listening                                                                                                                       He stood for no glory

 

That guy was aware he was no seaman                                                                                       But I smell from his scent                                                                                                               he’ll be bigger then

 

More than a simple sailor with all those tricks and skills                                                         he has a tempestuous soul                                                                                                             that both gives birth and kills

 

One day in his cruise ship, along with his anger                                                                        his passion and his beauty                                                                                                  somewhere he will anchor.

 

I call him by his name, Aaron Chownyk Shell                                                                               in 10 minutes he’ll be sitting here                                                                                                 and even the time it’s not that near

I’m alreay feeling well.

 

Posted in falta de soma | Leave a comment

o de sempre

to a lovely friend
who made me happy
who made me suffer
who made me drunk
and made me sober
you know who you are
I love you like a dark hole loves to expand itself and swallows everything in the universe.

Jackie

Posted in falta de soma | Leave a comment

De Novo

Espera, em ímpares de pernas a vida de alguém. O regresso de paz alimentaria, mas o que mais poderia ser uma sucção de calma no curso de sua breve caminhada. Eu faço por impulso. Empurro minha fala falha sem saber quais de mim devo ser na hora h, acaba que sou nenhuma, pois perto de ti me dissolvo. Suborno todos os saxofones prateados que me fariam te recusar, sem nem saber o por que, afinal de contas, és rocha. Eu, leito. E tudo o que é sólido se volatiza. E tudo o que for pedra, fura, pela molenga da água que por influência do curso dos rios estreitinhos, pensou em te ter. E quis.                                             Eu me afogo no meu egoísmo, e na minha razão. Por odiar esses esgares teus, impassíveis. Ridículos. Tô falando sério, vê se para com isso.                                                                         Nunca vai conseguir sacodir as folhas, os cabelos, sem perder o pouco que tem de compostura. Então emerges, de novo, na podridão. Ai, eu nunca vou te entender mesmo, porra. Mas vou sempre estar fingindo. Espera então aí, por mim.

Posted in circles and x's | Leave a comment

Cancer Sun

Eu gosto de te ensinar palavras novas, e de sentir como os meus pensamentos pequenos te tocam. Soa como uma coincidência perdida, ou qualquer expressão estrangeira que se ouve, e logo em seguida, se repete. É agridoce e até agressivo. Um tanto inóspito. Essa predileção pelo futuro, e pelo que eu não gosto. Sendo que o que gosto mesmo é hesitar, hesitar e hesitar. Sublinhar esse paradoxo roxo no papel manteiga, ou na nossa pequena janela quimérica. Nesse contraste ridículo. Por estes nós entre nós. Num parágrafo fraternal e desobediente.
E nesse sentimento que só merecia cinco linhas.

Posted in circles and x's, evol, Mayonaise | Tagged | Leave a comment